UEMASUL expande números de campi, cursos e bolsas acadêmicas

Os conceitos de autonomia, descentralização e democratização são os eixos norteadores da implantação e  gestão da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL). Desta forma, a universidade tem expandido sua estrutura física e estimulado a produção e o compartilhamento de conhecimentos, dentro e fora de seus campi.

Em três anos de criação, a UEMASUL já possui dois campi nos municípios de Imperatriz e Açailândia, e o novo campus em Estreito, que inicia suas atividades no primeiro semestre de 2020. Além dessa conquista, a entrega do novo Centro de Ciências Agrárias (CCA) está prevista  para o segundo semestre deste ano.

Com capacidade para 250 alunos, o campus Estreito oferta os cursos de Letras/Português, Engenharia Agronômica e Ciências Naturais com habilitação em Física e Matemática. O novo CCA é uma expansão do campus Imperatriz e será destinado, inicialmente, aos cursos de Medicina Veterinária, Engenharia Florestal e Engenharia Agronômica. Além das salas de aulas, laboratórios e auditório, o prédio conta com amplo estacionamento, área externa para pesquisas, biblioteca e banheiros. 

A UEMASUL também investe no quadro de graduações, pós-graduações e ofertas de bolsas de Iniciação Científica (IC), a fim de garantir o desenvolvimento acadêmico e a permanência de alunos e professores na universidade. Somente em 2019, foram contemplados mais de 600 beneficiários, nos programas de pesquisa e extensão (CNPq, FAPEMA, UEMASUL), auxílio evento, visitas técnicas e aulas de campo, tutoria, MAIS IDH, Programa de Bolsas de Apoio Técnico Institucional (BATI) e o Programa Institucional de Iniciação Científica Voluntária (PIVIC).

No mesmo ano,  no Conselho Universitário da UEMASUL, foram aprovados cinco novos cursos: Medicina, Pedagogia, as Licenciaturas em Ciências Naturais – Habilitação em Matemática e Física e Letras, Língua Portuguesa e Literaturas, para atender às demandas regionais na qual está inserida.

Dentre estes avanços, a criação do curso de Medicina da UEMASUL representa o fortalecimento das políticas públicas de saúde e educação da Região Tocantina. A implantação do centro e do curso contempla a meta 14 do Plano de Governo, proposto pelo governador Flávio Dino, que abrange a melhoria da saúde e o aumento do número de médicos no estado, fortalecendo o protagonismo regional e a expansão da UEMASUL.

Para a diretora do curso de Medicina da UEMASUL, professora Drª Michele Moreira Martins de Oliveira, o ingresso dos novos estudantes irá trazer melhorias não só para a região, também para a profissão.

“Teremos a oportunidade de formar médicos que ajudarão a mudar o cenário de saúde da sua região. Esperamos que estes calouros vistam a camisa do curso. Apostem na nossa proposta, um curso com forte inserção social, com o aluno sendo sujeito da aprendizagem e apoiado no professor como facilitador e mediador do processo e forte inserção internacional com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) nos apoiando e auxiliando em todos os processos desde a implantação do curso até a sua consolidação, em muitas áreas das quais podemos destacar a mobilidade acadêmica de docentes e discentes”, finaliza a professora.

Com previsão de ingresso para o segundo semestre de 2020, a primeira turma do curso contará com 40 alunos de sete estados brasileiros.  Destes, quase 50% são de estudantes maranhenses. Metade das vagas destinadas às pessoas negras, indígenas e com deficiência foi ocupada também por estudantes maranhenses e a outra metade, por estudantes do estado do Piauí.

“O maior orgulho da minha vida foi me chamarem de universitário”, comenta Ernani

O senhor Ernani Borges Ferreira também conhecido como “Pipoqueiro”, aos 83 anos de idade possui duas graduações. Ele vem ao nosso encontro empolgado, caminhando pelos corredores da UEMASUL  trazendo uma pasta debaixo do braço. Dentro dela o seu mais novo diploma de graduação, dessa vez em História. O diploma, segundo ele, receberá uma moldura e será pendurado ao lado do seu outro diploma de graduação, em Matemática. Nascido na Paraíba, aos 16 anos Ernani mudou-se junto com a família para o estado do Paraná e passou a trabalhar nas lavouras de café.  Tinha um grande desejo de estudar, mas sua condição financeira não permitia. Tentou também a vida em São Paulo, mas como precisava trabalhar, não tinha tempo para cursar o ensino regular.

– Como foi sua vida escolar?

Aos 30 anos, durante a ditadura militar, consegui terminar o supletivo, criado para pessoas com pouco estudo. Em 1971, vim para Imperatriz junto com meus pais. Mantendo firme meu desejo de estudar, logo procurei uma escola. Cursei a sétima e oitava séries, mas por conta de problemas na documentação da escola, não consegui o diploma. Por falta de emprego fui trabalhar nos garimpos de Serra Pelada, do Amazonas e na Guiana Francesa, ficando 12 anos por lá e a única coisa que eu ganhei foi malária, aí quando percebi que lá não tinha futuro, vim embora pra Imperatriz de novo.

– E como foi seu retorno para Imperatriz?

Voltando para Imperatriz, passei a trabalhar vendendo pipoca na frente da escola Técnica Amaral Raposo. Eu moro no bairro Bom Sucesso, e vinha empurrando meu carro de pipoca por 6 km. Ainda tinha vontade de fazer um curso superior, mas não havia concluído o ensino médio. Tentei cursar um supletivo, mas não havia mais vagas. Surgiu então uma oportunidade de fazer uma prova que daria aos aprovados o certificado do ensino médio, e foi aí que consegui meu diploma e pude enfim fazer a prova do vestibular. Na segunda tentativa, em 2002, passei para o curso de Matemática.

– Fale um pouco sobre sua vida acadêmica.

Nunca pensei que eu, um peão velho que não sabia de nada ia passar num vestibular, e por incrível que pareça eu passei em 27º de 40 vagas, aí fiz Matemática na UEMA. Durante os quatro anos do curso, eu faltei apenas uma vez, porque teve um alagamento no bairro que inundou a minha casa. São 6 km da minha casa pra cá, todo dia ida e volta, 12 km. Com 625 dias de aula dá mais ou menos 7500 km que eu fazia de bicicleta para poder me formar. Me saí muito bem, apresentei o TCC e tirei 10.

Em 2014, fui aprovado no curso de História, na UEMASUL. Eu já comecei perdendo algumas aulas por problemas de saúde, mas graças a Deus consegui colar grau, e já tô me preparando pra fazer vestibular de novo. Nesse curso de História, já na UEMASUL, eu achei muito melhor. Tudo bem pintadinho, organizado, achei bom demais. Agora eu tô de volta, desta vez pra fazer fazer o curso de Física.

Campus Açailândia recebe novo equipamento

A UEMASUL, campus Açailândia nomeou o primeiro professor concursado para o curso de Engenharia Civil, o professor João Miguel Santos Dias, formado na Universidade de Coimbra, em Portugal, e mestre pela Universidade Federal da Bahia. João Miguel juntou-se ao time de professores da universidade e irá ministrar as disciplinas que envolvem estruturas.

O professor recém-chegado conta a sua expectativa para o futuro do curso de Engenharia Civil do campus Açailândia. “A expectativa não poderia ser outra que não tornar a UEMASUL uma referência em Engenharia Civil, aqui na região Tocantina, e honestamente espero, em todo o estado e nos estados próximos. E que os futuros egressos possam prestar serviços nas grandes empresas da região”.

Além da nomeação do novo professor, o curso de Engenharia Civil da UEMASUL campus Açailândia também recebeu um novo e sofisticado equipamento de Ensaio de Resistência de Materiais. O equipamento possui uma configuração capaz de realizar ensaios de até 100 toneladas de concreto, e equipamentos para ensaios em madeira, entre outros materiais adquiridos pela universidade.

Visando o melhor uso e conservação do equipamento, o técnico Renan Ribeiro da empresa fabricante (INSTRON), ministrou treinamento sobre a utilização e funcionamento do maquinário ao professor José Miguel, que ficará responsável pelo equipamento, e terá a missão de treinar os acadêmicos para o uso adequado.

Papa Francisco responde carta da UEMASUL

Hoje, (21), chegou à UEMASUL, a resposta à carta enviada pela instituição ao Papa Francisco, por ocasião do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano, Roma, em outubro de 2019, e que discutiu a floresta Amazônica.

A carta, assinada pelo Monsenhor L. Roberto Cona, agradece a homenagem e transmite “os seus votos de melhores felicidades aos professores, alunos e funcionários dessa Universidade, a fim de cooperarem sempre com espírito fraterno para o bem comum de todos os habitantes do Estado do Maranhão e do Brasil, sob as Bênçãos de Deus”.

Matrículas para o Semestre 2020.1

Calouros e veteranos da UEMASUL, fiquem atentos às datas de matrícula e início de semestre letivo para os três campi: Estreito, Açailândia e Imperatriz. Mais informações, acesse o Calendário Acadêmico aqui no site!

#Iníciodesemestre  #PraCegoVer Banner com as seguintes informações: 27 a 31/Jan Calouros; 03 a 07/Fev Veteranos; 10 a 12/Fev Ajuste de Matrículas; 17/Fev Início do Semestre.

Resultado PAES 2020

 

A Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) divulgou na tarde desta sexta (17) a lista de aprovados no Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior (PAES 2020).

A lista de aprovados foi entregue oficialmente pela presidente da Comissão do PAES, Cristiane Pestana, ao reitor Gustavo Costa, na Reitoria, com a presença de gestores da UEMA e de membros da Assessoria de Concursos e Seletivos da Reitoria (ASCONS).

O PAES teve um número expressivo de inscritos, com 66.746 candidatos maranhenses e de outros estados, que concorreram a 4.030 vagas da UEMA e 910 vagas da UEMASUL.

Confira as listas:

IMPERATRIZ

AÇAILÂNDIA

ESTREITO

SISTEMA ESPECIAL DE RESERVAS DE VAGAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 

SISTEMA ESPECIAL DE RESERVAS DE VAGAS PARA ESTUDANTES NEGROS OU DE COMUNIDADES INDÍGENAS

Com informações da ASCOM UEMA.

Roda de Conversa no curso de Letras discute gestão municipal da educação em Açailândia

Em busca de criar condições para que os acadêmicos de Letras da disciplina de férias “Gestão de Sistemas Educacionais” construam conhecimentos, desenvolvam habilidades e formem senso crítico,  aconteceu na última semana uma Roda de Conversa no Centro de Ciências Humanas, Sociais, Tecnológicas e Letras – CCHSTL, em Açailândia, com a e ex-secretária de educação do município, Maria Luiza Oliveira Vieira.

Na ocasião, os alunos puderam fazer perguntas relacionadas aos mais de 20 anos de experiência profissional da professora. Além dos acadêmicos do 3º Período de Letras, participaram também a diretora de Centro, professora Tânia Regina e as professoras Simony Raffa e Maria Alice dos Santos.

Dona Maysa, como é popularmente conhecida, relatou um pouco sobre sua história como educadora e sua experiência na gestão da educação. Esclareceu dúvidas sobre infraestrutura, planejamento, qualificação e motivação dos profissionais da educação, avaliação, material didático, transporte e merenda escolar, financiamento e sistema de colaboração entre o município de Açailândia e outros entes federados. Além de compartilhar sobre os principais desafios e a alegria das experiências exitosas conquistadas ao longo da carreira.

Para encerrar sua fala junto à turma, enfatizou a importância de ações como essa junto aos cursos de ensino superior: “Parabenizo a  UEMASUL, na pessoa da Diretora de Centro a professora, Tânia Regina e a professora Simony Raffa pela iniciativa de tratarem desse tema tão importante que é a educação, e me coloco a disposição para participar de outros momentos como este”.