Semana de Integração Acadêmica marca início do semestre 2020.1

Com o objetivo de recepcionar os calouros, a Semana de Integração Acadêmica da UEMASUL teve início na última segunda-feira (17) com palestras, oficinas e atividades culturais temáticas voltadas para os ingressantes do semestre de 2020.1. Os estudantes dos cursos de Pedagogia, Administração e Tecnólogo em Gestão Ambiental (Campus Açailândia), Ciências Biológicas, Engenharia Agronômica, Pedagogia, Medicina Veterinária, Letras Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, Química, Geografia, História, Letras Língua Inglesa e Literaturas, Administração, Física e Matemática (Campus Imperatriz) foram recebidos pela gestão superior da universidade.

As atividades da Semana de Integração foram desenvolvidas com o objetivo de possibilitar aos calouros dos três turnos, conhecimento das instalações e funcionalidade da instituição, por meio de palestras e oficinas. No primeiro dia da programação, os calouros do campus Imperatriz participaram também de Aula Magna. Ao todo, ingressam nos cursos de graduação da UEMASUL neste semestre, 765 novos estudantes, nos três campi: Açailândia, Estreito e Imperatriz.

A caloura do curso de Letras Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, Denise Alves Cardoso, conta que sempre quis cursar Letras e destaca o Mestrado como uma possibilidade para quem deseja seguir carreira acadêmica. “A expectativa é de me tornar uma boa profissional. Conheci a grade curricular, os professores e também descobri que já tem o Mestrado e isso dá um gás a mais para quem pretende seguir a carreira acadêmica. Já havia ingressado em um curso aqui, mas desde sempre a minha paixão foi por Letras. Após a experiência com esse curso, vi que poderia me empenhar muito mais cursando Letras”.

O calouro do curso de Química, Ruan Cristopher Silva Almeida, fala sobre a ansiedade em iniciar o curso. “Sempre tive em mente o cursar Química. Comecei a gostar da disciplina ainda no ensino médio. Então, pesquisei e vi que aqui na UEMASUL tem o curso de Licenciatura em Química e escolhi vir para cá. Em relação à universidade, a gente sempre fica ansioso e a Semana de Integração é muito importante, porque a gente acaba vendo como é a universidade, conhecendo mais e isso é muito legal”.

A Semana de Integração Acadêmica vai até sexta-feira (21) no campus Imperatriz e em Açailândia até quarta-feira (19). Para saber mais sobre a programação, acesse aqui: Açailândia e Imperatriz. 

UEMASUL lança o programa de formação Caminhos do Sertão

Na última quinta-feira (14), a Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL) lançou o programa Caminhos do Sertão com a apresentação do cronograma de atividades para 2020. Durante a solenidade, também aconteceram as assinaturas dos Acordos de Cooperação com os gestores das quatro Unidades Avançadas, e as assinaturas dos Termos de Cooperação Técnica com os municípios parceiros.

As unidades avançadas serão implantadas em Vila Nova dos Martírios, Itinga, Amarante e Porto Franco, para atender os municípios de abrangência da UEMASUL, promovendo a democratização do acesso ao ensino superior público para as comunidades, atendendo à política de expansão da educação superior do Governo do Estado.

Criado no ínicio de 2018, o programa Caminhos do Sertão ofertará um total  800 novas vagas para os cursos de licenciatura: Letras Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, Pedagogia, Ciências Biológicas, Geografia e Matemática, proporcionando oportunidades de acesso ao ensino superior aos egressos do ensino médio e aos professores em exercício nas escolas públicas estaduais e municipais sem formação adequada, para o exercício da docência na Educação Básica impulsionando a formação de professores reflexivos e atuantes na sociedade.

Para a reitora Elizabeth Nunes Fernandes, o programa vem ao encontro das propostas da universidade. “O programa Caminhos do Sertão é mais uma importante ação da UEMASUL, na expansão e democratização do ensino superior. O programa contribuirá para melhor qualificação dos professores dos municípios, resultando em avanços para a educação básica. Agradecemos ao Governo do Estado e a todos os prefeitos, pela parceria que resultou na efetivação desse importante passo na trajetória da instituição.”

Representando o Governador Flávio Dino, a solenidade contou com a presença do Secretário de Estado de Infraestrutura do Maranhão, Clayton Noleto, que falou sobre os investimentos na área educacional: “O esforço do governo do Maranhão na área da educação também,  desde o ensino infantil com escolas dignas, o ensino médio com escolas de tempo integral, o ensino superior com os investimentos que tem sido feitos nas universidades maranhenses, nas parcerias com as bolsas de pesquisas com o Instituto de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMAS), que tem promovido verdadeiras revoluções, algumas delas até mesmo parcialmente silenciosas em nosso estado”.

O secretário parabenizou e agradeceu à UEMASUL e aos prefeitos pelo lançamento do programa. “Essa representatividade aqui com as prefeitas  e os prefeitos aqui presentes, todos dando a sua contribuição  para que esse momento seja possível, pela luta, pelo trabalho, pelo empenho, pela determinação, pelo afinco e pela disposição e a energia de vocês para que o governo do Maranhão com que a sensibilidade e a ousadia, a mesma coragem, a mesma combatividade as mesmas crenças e as mesmas firmezas possa, ver esse momento acontecer”.

A prefeita de Vila Nova dos Martírios, Karla Batista Cabral, falou sobre a importância do programa para a região. “Esse é um momento extremamente importante. Estamos aqui consolidando efetivamente a presença da universidade pública nos nossos municípios, e isso nos traz uma alegria muito grande, e uma satisfação de sabermos que as pessoas que não têm condição de sair para estudar vão ter a oportunidade de cursar uma universidade devidamente reconhecida.”

 

UEMASUL aumenta em quase 30% o quadro de professores efetivos

Governo do Estado nomeou na última terça-feira (4), 26 professores e professoras para integrarem o corpo docente efetivo da UEMASUL. Além desses, dois novos professores também foram nomeados nos meses de dezembro de 2019 e janeiro de 2020. Atendendo a demanda da universidade e da Região Tocantina, a conquista aumentará em quase 30% o quadro efetivo nos três campi: Estreito, Açailândia e Imperatriz.

Ao todo, os docentes atenderão 14 graduações da universidade. Oito deles para os cursos de Administração, Engenharia Civil, Letras Português e para o curso de Tecnologia de Gestão Ambiental, em Açailândia. Onze para os cursos de Geografia, Pedagogia, Matemática, Física, Medicina Veterinária, Engenharia Agronômica e Engenharia Florestal, em ImperatrizE para Estreito serão nove professores para os cursos de Engenharia Agronômica, Letras, Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa e Ciências – Habilitação em Matemática e/ou Física. Além destes, mais três novos professores substitutos foram designados para atender o novo campus Estreito.

A conquista de oito novos professores para o campus Açailândia é histórica. De acordo com o professor Vice-Reitor, Expedito Barroso, é a primeira vez que o município recebe um quadro de professores efetivos para o ensino superior público.

Pela primeira vez na história da educação pública superior no Maranhão, a gente tem professor sendo nomeado para Açailândia. E o ensino superior público do estado, em Açailândia, começou em 2002, e em 2020 temos as nomeações. Isso é histórico, como fato é histórico. Uma outra questão também é Estreito que vamos iniciar as aulas com um corpo docente efetivo, com equipamentos novos, ou seja, uma estrutura física e humana nova e extremamente qualificada”. 

Em função da qualidade dos currículos, os professores e professoras, por meio do Programa de Mobilidade Acadêmica, também poderão transitar entre os demais cursos e campi da UEMASUL, a fim de atender às demandas acadêmicas e falta de professores.

Reitoria se reúne com a comissão de criação do novo PPC de Medicina Veterinária

A gestão superior da UEMASUL se reuniu com a comissão de criação do novo Projeto Pedagógico de Curso de Medicina Veterinária. O projeto deve seguir as diretrizes nacionais de educação e tem como proposta estimular os conhecimentos teóricos e práticos dos próximos profissionais egressos da universidade.

As mudanças nos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPCs), das Instituições de Ensino Superior, seguem as matrizes curriculares do Conselho Nacional de Educação (CNE). No estado do Maranhão, essas mudanças ocorrem por meio do Conselho Estadual de Educação e procuram contemplar as propostas nacionais. Em 2018, novas diretrizes curriculares para a graduação em Medicina Veterinária foram instituídas pelo CNE mediante a resolução Nº 03/2019, no Diário Oficial da União. Essas novas mudanças pretendem definir os princípios, fundamentos, condições e procedimentos da formação de médicos veterinários em todo o território nacional.

Nesse sentido, a gestão superior da UEMASUL, se reuniu com professores, com as direções do Centro de Ciências Agrárias e do curso de Medicina Veterinária para criar uma comissão que será encarregada de reestruturar o Projeto Pedagógico sob a nova diretriz nacional do curso. Para a presidente da comissão, professora Monalisa de Sousa Moura Souto, a UEMASUL está adequando a renovação do curso de acordo com as normas do Conselho Estadual da Educação dentro do prazo proposto, de três anos.

“Nessa reestruturação do PPC temos novas diretrizes curriculares que são de 2019 e devem ser implantadas a partir de 2020, então, como vai ser recredenciado agora, precisamos adequar o Projeto Pedagógico do curso às novas diretrizes. O curso de Medicina Veterinária está sendo reformulado de uma maneira totalmente diferente. O PPC trará novas metodologias, novas formas do profissional de egresso do curso, então, as diretrizes direcionam de maneira diferente ao que estamos praticando. Essas novas diretrizes buscam um profissional diferente, mais completo, que consiga atuar em diferentes áreas, esse é o principal objetivo deste projeto”. 

De acordo com o diretor do curso de Medicina Veterinária, professor Leonardo Moreira de Oliveira, a proposta de reestruturação e reformulação do PPC do Curso de Medicina Veterinária, visa modernizar o ensino da Medicina Veterinária na UEMASUL e acompanhar demandas nacionais.

“O objetivo é o de modernizar e até mesmo acompanhar as demandas internacionais de formação do médico veterinário, no intuito de oferecer um ensino mais eficiente e atrativo para os acadêmicos. O novo curso vai atender de forma mais direta as demandas da região; a principal ideia é essa.”, acrescenta o professor Leonardo M. de Oliveira. 

1ª Chamada de excedentes PAES 2020

A primeira lista de excedentes para os cursos de graduação da UEMASUL já está disponível. As matrículas acontecerão nos três campi: Estreito, Açailândia e Imperatriz.

Confira as datas e horários:

Campus Imperatriz – Nos dias 06, 07 e 10/02/2020, na Secretaria Acadêmica das 08h30min às 12h e das 14h30min às 19h.
Campus Açailândia – Nos dias 06, 07 e 10/02/2020, na secretaria do Campus das 14h30min às 19h.
Campus Estreito – No dia 10/02/2020, na secretaria do Campus das 8h às 12h e das 14h às 18h.

O Edital completo com a lista de documentos está disponível no link.

Professor descobre novas espécies de parasitas em peixes no rio Tocantins

O Professor do curso de Ciências Biológicas da UEMASUL, Marcelo Francisco da Silva, descobriu dois novos parasitas em pesquisa realizada para a tese de seu doutorado. Os parasitas “Calyptospora gonzaguensis” e “Ceratomyxa fonsecai” foram descobertos em peixes residentes do Rio Tocantins. A pesquisa está em sua fase final e será apresentada sexta-feira (7) pelo professor na Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém.

Doutorando em “Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários”, o professor Marcelo desenvolve a pesquisa: “Diversidade de microparasitos em peixes de interesse ambiental e comercial no médio curso do rio Tocantins”, em três grupos de parasitas pouco conhecidos: Mixozoários, Microsporídios e Apicomplexas. Para o professor, é importante entender o ambiente de vivência dos animais aquáticos que são consumidos, o que resulta na qualidade desses alimentos.

“Nós vimos a necessidade de entender melhor a composição desses organismos que influenciam a vida dos peixes e também a qualidade do pescado que estamos consumindo. É importante entender o ambiente em que vivem os peixes, ambientalmente é importante, mas, alguns desses parasitas podem gerar o que a gente chama de comprometimento zoonótico para a saúde humana. Muitas vezes a pessoa pode consumir um pescado, ter um desconforto intestinal e passar mal, e atribuir a uma bactéria ou a alguma outra coisa que não a esses parasitas. O nosso objetivo primário foi o de entender quem são esses parasitas, e agora é de tentar entender a possível relação deles com a qualidade do pescado”, apontou o professor Marcelo Francisco.

As nomenclaturas: “Calyptospora gonzaguensis” e “Ceratomyxa fonsecai” dos parasitas são em homenagem aos professores Clésio Fonseca e Robson Gonzaga, fundadores do curso de Ciências Biológicas. O professor Marcelo Francisco destaca a importância do pioneirismo da pesquisa e de como ela pode ajudar na vivência do povo ribeirinho da região Tocantina.

“Academicamente, estamos falando de grupos de organismos que eram desconhecidos e estão agora sendo identificados. Na tese que vamos defender, estamos descrevendo seis novas espécies de parasitas e dessas seis, cinco são do rio Tocantins. Para a comunidade que sobrevive desse pescado, é importante ter um entendimento melhor dos fatores que podem depreciar a qualidade do pescado. Nós desconhecemos a possível ação que esses organismo parasitários podem ter sobre a qualidade do pescado. E isso tem que ser melhor estudado”, finalizou o professor. 

Os artigos com as pesquisas sobre os parasitas estão disponíveis nos links: Calyptospora gonzaguensis e Ceratomyxa fonsecai.

UEMASUL expande números de campi, cursos e bolsas acadêmicas

Os conceitos de autonomia, descentralização e democratização são os eixos norteadores da implantação e  gestão da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL). Desta forma, a universidade tem expandido sua estrutura física e estimulado a produção e o compartilhamento de conhecimentos, dentro e fora de seus campi.

Em três anos de criação, a UEMASUL já possui dois campi nos municípios de Imperatriz e Açailândia, e o novo campus em Estreito, que inicia suas atividades no primeiro semestre de 2020. Além dessa conquista, a entrega do novo Centro de Ciências Agrárias (CCA) está prevista  para o segundo semestre deste ano.

Com capacidade para 250 alunos, o campus Estreito oferta os cursos de Letras/Português, Engenharia Agronômica e Ciências Naturais com habilitação em Física e Matemática. O novo CCA é uma expansão do campus Imperatriz e será destinado, inicialmente, aos cursos de Medicina Veterinária, Engenharia Florestal e Engenharia Agronômica. Além das salas de aulas, laboratórios e auditório, o prédio conta com amplo estacionamento, área externa para pesquisas, biblioteca e banheiros. 

A UEMASUL também investe no quadro de graduações, pós-graduações e ofertas de bolsas de Iniciação Científica (IC), a fim de garantir o desenvolvimento acadêmico e a permanência de alunos e professores na universidade. Somente em 2019, foram contemplados mais de 600 beneficiários, nos programas de pesquisa e extensão (CNPq, FAPEMA, UEMASUL), auxílio evento, visitas técnicas e aulas de campo, tutoria, MAIS IDH, Programa de Bolsas de Apoio Técnico Institucional (BATI) e o Programa Institucional de Iniciação Científica Voluntária (PIVIC).

No mesmo ano,  no Conselho Universitário da UEMASUL, foram aprovados cinco novos cursos: Medicina, Pedagogia, as Licenciaturas em Ciências Naturais – Habilitação em Matemática e Física e Letras, Língua Portuguesa e Literaturas, para atender às demandas regionais na qual está inserida.

Dentre estes avanços, a criação do curso de Medicina da UEMASUL representa o fortalecimento das políticas públicas de saúde e educação da Região Tocantina. A implantação do centro e do curso contempla a meta 14 do Plano de Governo, proposto pelo governador Flávio Dino, que abrange a melhoria da saúde e o aumento do número de médicos no estado, fortalecendo o protagonismo regional e a expansão da UEMASUL.

Para a diretora do curso de Medicina da UEMASUL, professora Drª Michele Moreira Martins de Oliveira, o ingresso dos novos estudantes irá trazer melhorias não só para a região, também para a profissão.

“Teremos a oportunidade de formar médicos que ajudarão a mudar o cenário de saúde da sua região. Esperamos que estes calouros vistam a camisa do curso. Apostem na nossa proposta, um curso com forte inserção social, com o aluno sendo sujeito da aprendizagem e apoiado no professor como facilitador e mediador do processo e forte inserção internacional com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) nos apoiando e auxiliando em todos os processos desde a implantação do curso até a sua consolidação, em muitas áreas das quais podemos destacar a mobilidade acadêmica de docentes e discentes”, finaliza a professora.

Com previsão de ingresso para o segundo semestre de 2020, a primeira turma do curso contará com 40 alunos de sete estados brasileiros.  Destes, quase 50% são de estudantes maranhenses. Metade das vagas destinadas às pessoas negras, indígenas e com deficiência foi ocupada também por estudantes maranhenses e a outra metade, por estudantes do estado do Piauí.

“O maior orgulho da minha vida foi me chamarem de universitário”, comenta Ernani

O senhor Ernani Borges Ferreira também conhecido como “Pipoqueiro”, aos 83 anos de idade possui duas graduações. Ele vem ao nosso encontro empolgado, caminhando pelos corredores da UEMASUL  trazendo uma pasta debaixo do braço. Dentro dela o seu mais novo diploma de graduação, dessa vez em História. O diploma, segundo ele, receberá uma moldura e será pendurado ao lado do seu outro diploma de graduação, em Matemática. Nascido na Paraíba, aos 16 anos Ernani mudou-se junto com a família para o estado do Paraná e passou a trabalhar nas lavouras de café.  Tinha um grande desejo de estudar, mas sua condição financeira não permitia. Tentou também a vida em São Paulo, mas como precisava trabalhar, não tinha tempo para cursar o ensino regular.

– Como foi sua vida escolar?

Aos 30 anos, durante a ditadura militar, consegui terminar o supletivo, criado para pessoas com pouco estudo. Em 1971, vim para Imperatriz junto com meus pais. Mantendo firme meu desejo de estudar, logo procurei uma escola. Cursei a sétima e oitava séries, mas por conta de problemas na documentação da escola, não consegui o diploma. Por falta de emprego fui trabalhar nos garimpos de Serra Pelada, do Amazonas e na Guiana Francesa, ficando 12 anos por lá e a única coisa que eu ganhei foi malária, aí quando percebi que lá não tinha futuro, vim embora pra Imperatriz de novo.

– E como foi seu retorno para Imperatriz?

Voltando para Imperatriz, passei a trabalhar vendendo pipoca na frente da escola Técnica Amaral Raposo. Eu moro no bairro Bom Sucesso, e vinha empurrando meu carro de pipoca por 6 km. Ainda tinha vontade de fazer um curso superior, mas não havia concluído o ensino médio. Tentei cursar um supletivo, mas não havia mais vagas. Surgiu então uma oportunidade de fazer uma prova que daria aos aprovados o certificado do ensino médio, e foi aí que consegui meu diploma e pude enfim fazer a prova do vestibular. Na segunda tentativa, em 2002, passei para o curso de Matemática.

– Fale um pouco sobre sua vida acadêmica.

Nunca pensei que eu, um peão velho que não sabia de nada ia passar num vestibular, e por incrível que pareça eu passei em 27º de 40 vagas, aí fiz Matemática na UEMA. Durante os quatro anos do curso, eu faltei apenas uma vez, porque teve um alagamento no bairro que inundou a minha casa. São 6 km da minha casa pra cá, todo dia ida e volta, 12 km. Com 625 dias de aula dá mais ou menos 7500 km que eu fazia de bicicleta para poder me formar. Me saí muito bem, apresentei o TCC e tirei 10.

Em 2014, fui aprovado no curso de História, na UEMASUL. Eu já comecei perdendo algumas aulas por problemas de saúde, mas graças a Deus consegui colar grau, e já tô me preparando pra fazer vestibular de novo. Nesse curso de História, já na UEMASUL, eu achei muito melhor. Tudo bem pintadinho, organizado, achei bom demais. Agora eu tô de volta, desta vez pra fazer fazer o curso de Física.

Campus Açailândia recebe novo equipamento

A UEMASUL, campus Açailândia nomeou o primeiro professor concursado para o curso de Engenharia Civil, o professor João Miguel Santos Dias, formado na Universidade de Coimbra, em Portugal, e mestre pela Universidade Federal da Bahia. João Miguel juntou-se ao time de professores da universidade e irá ministrar as disciplinas que envolvem estruturas.

O professor recém-chegado conta a sua expectativa para o futuro do curso de Engenharia Civil do campus Açailândia. “A expectativa não poderia ser outra que não tornar a UEMASUL uma referência em Engenharia Civil, aqui na região Tocantina, e honestamente espero, em todo o estado e nos estados próximos. E que os futuros egressos possam prestar serviços nas grandes empresas da região”.

Além da nomeação do novo professor, o curso de Engenharia Civil da UEMASUL campus Açailândia também recebeu um novo e sofisticado equipamento de Ensaio de Resistência de Materiais. O equipamento possui uma configuração capaz de realizar ensaios de até 100 toneladas de concreto, e equipamentos para ensaios em madeira, entre outros materiais adquiridos pela universidade.

Visando o melhor uso e conservação do equipamento, o técnico Renan Ribeiro da empresa fabricante (INSTRON), ministrou treinamento sobre a utilização e funcionamento do maquinário ao professor José Miguel, que ficará responsável pelo equipamento, e terá a missão de treinar os acadêmicos para o uso adequado.